fbpx

Monthly Archives - outubro 2020

CRÉDITO SEGUIU EM EXPANSÃO EM SETEMBRO

 

 

 

 

 

Em setembro, o estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) teve variação de 1,9% frente a agosto, e registrou avanço de 13,1% em relação a setembro de 2019. Com isso, o saldo totaliza R$ 3,8 trilhões, conforme divulgado pelo Banco Central. Como proporção do PIB, o montante total de crédito atingiu 52,8%. Na região Sul, para operações iguais ou superiores a R$ 1 mil, o saldo total de crédito em julho foi de R$ 746,4 bilhões, com variação de 2,9% frente ao mês anterior e crescimento de 16,6% na comparação interanual.

As concessões de crédito livre tiveram alta de 3,4% em setembro na comparação com agosto, na série com ajuste sazonal. Em relação a setembro de 2019, as concessões com recursos livres aumentaram 0,7%, com variação de 0,9% para pessoas físicas e de 0,5% para pessoa jurídica. No acumulado em 12 meses, em relação ao ano passado, as concessões cresceram 6,2%, resultado das altas de 11,7% para pessoa jurídica e de 1,4% para pessoa física.

A taxa média de juros para as operações de crédito com recursos livres teve variação de -0,9 pontos percentuais (p.p.) em setembro, registrando 25,7% ao ano. O resultado teve influência do recuo de 1,0 ponto percentual na taxa às famílias, que atingiu 38,0%, e da queda de 0,7 p.p. na taxa às empresas, que marcou 11,4%. A inadimplência superior a 90 dias, também para as operações com recursos livres, foi menor que a do mês anterior ao registrar 3,1%, com a inadimplência das famílias em 4,6% e das empresas em 1,6%.

Desde o começo da pandemia, na perspectiva das empresas, enquanto o crédito livre para capital de giro foi o principal destaque e teve forte expansão desde março, a reação forte no crédito direcionado veio depois. Porém, aconteceu e deixam clara a importância dos programas e das medidas adotadas pelo governo e pelo banco central para dar suporte ao crédito durante a crise, com expansão de 49,6% no trimestre do saldo de outros créditos direcionados, com avanço expressivo dos novos empréstimos a partir de julho – refletindo o volume de recursos disponibilizado via Pronampe. Embora os dados não indiquem quanto da demanda foi atendida, o saldo do crédito total para micro, pequena e médias empresas teve alta de 28,1% em 12 meses; para grandes empresas, a elevação foi de 12,6%.

FECOMÉRCIO-RS APOIA CAMPANHA SOBRE OS MALEFÍCIOS DA COMPRA DE PRODUTOS FALSIFICADOS

Divulgação Grupo de Proteção à Marca – BPG

 

A Fecomércio-RS, como representante das empresas do comércio de bens, serviços e turismo no Rio Grande do Sul, apoia mais uma iniciativa em prol do setor, da economia gaúcha e, também, dos empresários e dos mais de 546 mil estabelecimentos que representa. A Federação é uma das apoiadoras da campanha “As Falsificações saem mais caras. Eu compro Produtos Originais”.

Lançada no Brasil em 2019 pelo Grupo de Proteção à Marca – BPG, a iniciativa teve apoio do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP) e tem previsão de lançamentos contínuos, com adesão de entidades públicas ou associações privadas.

O movimento alerta sobre os malefícios da compra de produtos falsificados e foi criado em razão de um Memorando de Entendimento firmado com a Business Action to Stop Counterfeiting and Piracy (BASCAP), vinculada à International Chamber of Commerce (ICC), para cooperação mútua entre as associações em projetos de conscientização.

Leia mais em www.ibuyreal.org

 

VICE-PRESIDENTE HAMILTON MOURÃO PARTICIPA DE LIVE PROMOVIDA PELO SISTEMA FECOMÉRCIO-RS

Romério Cunha/VPR

O encontro, gratuito e aberto ao público, vai abordar o cenário econômico-político brasileiro

O contexto econômico e político brasileiro será colocado em pauta na tarde do dia 10 de novembro. Na oportunidade, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, irá participar de uma live realizada pelo Sistema Fecomércio-RS. O evento, aberto ao público e voltado para o setor empresarial, acontece às 17h, pelo YouTube da Federação. 

Durante o bate-papo, Mourão trará uma visão do Governo Federal acerca de importantes pautas debatidas no contexto político e econômico atual do País, oportunizando à classe empresarial gaúcha, em especial o setor de comércio e serviços, um importante debate, auxiliando os empresários a formarem suas expectativas para um futuro próximo.

Para o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, é compromisso da Entidade estar à frente dos principais debates e eventos do RS. “Atuamos diariamente em prol da comunidade gaúcha e a favor do setor que representamos. Realizar um encontro tão oportuno para a classe empresarial em um momento como o que estamos vivendo, de retração econômica e incertezas, é uma importante entrega da Fecomércio-RS para os gaúchos”, destaca o dirigente.

O General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão é o vice-presidente da República Federativa do Brasil desde 1º de janeiro de 2019. Em sua formação profissional, podem ser relevadas, além da graduação, do aperfeiçoamento e da especialização (paraquedismo e operações na selva), as titulações como Mestre em Operações Militares e como Doutor em Ciências Militares, fruto da realização dos cursos de Altos Estudos Militares e de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

PARTICIPE DA LIVE

Quando: 10/11/2020 (terça-feira)

Horário: 17h

Canal do Youtube: Acesse neste link-> https://youtu.be/pZsE8knCYPo

 

CONTRATAÇÃO DE TEMPORÁRIOS PARA O NATAL SERÁ A MENOR EM CINCO ANOS

O Natal é a principal data comemorativa do varejo e deve movimentar R$ 37,5 bilhões em 2020

A crise provocada pelo novo coronavírus deve fazer com que a oferta de vagas temporárias para o Natal seja a menor desde 2015, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Segundo projeção da entidade, 70,7 mil trabalhadores temporários serão contratados neste fim de ano para atender ao aumento sazonal das vendas. O número é 19,7% menor do que o registrado em 2019 (88 mil). O Natal é a principal data comemorativa do varejo e deve movimentar R$ 37,5 bilhões em 2020 – 2,2% a mais do que no ano passado.

Para o presidente da CNC, José Roberto Tadros, mesmo impulsionado pelo e-commerce, o varejo ainda sente os efeitos das condições de consumo em meio à pandemia. “A intensificação de ações de vendas on-line pelos comerciantes tem ajudado na recuperação gradual do varejo nos últimos meses e também será um dos impulsionadores das vendas para o Natal. Porém, apesar de o comércio eletrônico ter crescido bastante, as vendas em shopping centers vêm registrando retrações, e isso impacta diretamente o número de temporários contratados, em especial os vendedores”, afirma Tadros.

Todas as unidades da Federação devem apresentar menos oportunidades de empregos temporários no comércio varejista, em comparação com os últimos anos. São Paulo (17,9 mil), Minas Gerais (8,33 mil), Rio de Janeiro (6,92 mil) e Rio Grande do Sul (6,02 mil) concentrarão mais da metade (55%) da oferta de vagas.

As lojas de vestuário e calçados, que historicamente respondem pela maior parte dos empregos temporários neste período do ano, deverão ofertar 30,7 mil vagas em 2020. Fabio Bentes, economista da CNC responsável pelo estudo, ressalta que esse total equivale a pouco mais da metade dos 59,2 mil postos criados em 2019. “Este ramo do varejo vem apresentando mais dificuldades de recuperar o nível de vendas anterior ao início do surto de covid-19”, diz Bentes. Somados ao ramo de vestuário, as lojas de artigos de uso pessoal e doméstico (13,7 mil) e os hiper e supermercados (13,4 mil) deverão responder por cerca de 82% das vagas oferecidas pelo varejo no Natal.

Remuneração média aumenta

Segundo os cálculos da CNC, o salário médio de admissão para as vagas temporárias no Natal deverá ser de R$ 1.319, valor 4,6% maior em comparação com o mesmo período do ano passado. Os maiores salários deverão ser pagos pelas lojas especializadas na venda de produtos de informática e comunicação (R$ 1.618) e pelo ramo de artigos farmacêuticos, perfumarias e cosméticos (R$ 1.602) – contudo, estes segmentos deverão responder por apenas 7% das vagas.

Em relação às profissões, a Confederação estima que nove em cada dez vagas criadas devem ser preenchidas pelas cinco ocupações mais demandadas nesta época do ano: vendedores (34,6 mil), operadores de caixa (12,1 mil), atendentes (8,2 mil), repositores de mercadorias (6,9 mil) e embaladores de produtos (2,9 mil). Operadores de caixa (R$ 2.272,78) e repositores de mercadorias (R$ 1.576,24) devem receber os maiores salários médios.

A taxa de efetivação dos temporários após o Natal deverá ser a menor dos últimos quatro anos. Segundo Fabio Bentes, a queda é explicada pela incerteza quanto à capacidade da economia e do consumo de sustentar o ritmo de recuperação nos próximos meses. “É um cenário distinto daquele observado até 2014, quando, em média, 30% dos trabalhadores contratados costumavam ser efetivados”, conclui o economista da CNC.

Cláudia Alberici Pinto é reconduzida à presidência do Sindijovem

Posse será transmitida ao vivo por live no dia 29 de outubro pelo Facebook e Instagram

 

Um grupo de 19 jovens conduzirá o Sindilojas Regional Jovem de Bento Gonçalves no biênio 2020-2022. A arquiteta Cláudia Alberici Pinto será reconduzida à presidência em posse que será transmitida ao vivo por uma live no dia 29 de outubro, a partir das 20h, pelo perfil do Instagram @sindijovem e pelas páginas do Facebook @SindilojasJovemBento e @SindilojasRegionalBento. De forma inédita, as mulheres são maioria com a participação de 10 nomes, o que demonstra o aumento da presença feminina na gestão de empresas e entidades.

 

O objetivo do Sindijovem é compartilhar conhecimento por meio de palestras, encontros, discussões de ideias e ações sociais. Segundo a presidente Cláudia, 2020 começou com o Dia Internacional da Mulher, evento consolidado na agenda da entidade sempre com casa cheia. Uma semana depois, em plena pandemia da Covid-19, os jovens se viram obrigados a paralisar o cronograma, focando a atenção para ações capazes de minimizar o sofrimento e as dificuldades diante do problema. Um exemplo foi o engajamento na ação ‘Bento é Super’ com o recolhimento de alimentos não perecíveis e produtos de limpeza. O grupo também promoveu diversas lives em torno de temas diversos. “Estamos finalizando esta gestão com a certeza do dever cumprido e com o compromisso de estabelecer novos conceitos para dar início a recondução com atitudes para aperfeiçoar valores e conhecimento”, destaca.

 

“Que 2021 inicie mais estável, com as pessoas em segurança e que a gente possa enriquecer nossa agenda envolvendo mais jovens em nossas ações”, espera Cláudia que enaltece o trabalho de toda a equipe para o fortalecimento do jovem empreendedor e a formação de novos líderes.

 

DIRETORIA SINDIJOVEM GESTÃO 2020-2022

CLAUDIA ALBERICI PINTO – PRESIDENTE

AIALA MARIA SANTIN PREMAOR – VICE PRESIDENTE

DANIELA FABRIS – VICE PRESIDENTE

 

ALINE SCHENATTO – DIRETORA ADMINISTRATIVA

ANDRESSA  ALINE BORGES – DIRETORA DE MARKETING

BÁRBARA MANFROI CHIES – DIRETORA DE COMUNICAÇÃO

BÁRBARA NICHETTI – DIRETORA DE AÇÕES SOCIAIS

CAMILA VAZ – DIRETORA COMERCIAL

CARINE BARBOSA PECCIN- DIRETORA DE GESTÃO

EDUARDO FIANCO CAPITANIO – DIRETOR DE TECNOLOGIA

HÉLIO WERNECK DE CARVALHO NETO – DIRETOR DE RELAÇÕES PÚBLICAS

JOHN AMIEL MARCHI – DIRETOR DE INOVAÇÃO

LUCAS MENEGOTTO – DIRETOR DE PLANEJAMENTO

MARCELO DYTZ PICCOLI – DIRETOR DE MÍDIA

PAOLA GUIDOLIN- DIRETORA DE GASTRONOMIA

RENAN CAPPELESSO – DIRETOR DE EVENTOS

 

ÉDER OSELAME – DIRETOR DE SÃO VALENTIM DO SUL

IGOR DA COSTA – DIRETOR DE GARIBALDI

MAURO MESACAZA – DIRETOR DE MONTE BELO

 

Imagem: Divulgação Sindilojas

CNC PROMOVE ENCONTRO ON-LINE PARA ESCLARECER DÚVIDAS SOBRE LGPD

Divulgação CNC

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) reunirá, nos dias 22 e 23 de outubro, especialistas jurídicos e sindicais para esclarecer quais os impactos da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) no dia a dia de empreendedores, empresas e das pessoas. O evento é on-line e gratuito e contará com palestras de diferentes especialistas. As inscrições podem ser feitas pelo link https://bit.ly/3dbY0jB.

A LGPD, que entrou em vigor no dia 18 de setembro, tem como principal objetivo assegurar que os dados pessoais informados por uma pessoa física sejam protegidos dentro do ambiente virtual.

O encontro virtual LGPD – Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais: Conhecendo a Legislação e sua Aplicação será uma grande oportunidade para conhecer mais sobre a Lei e esclarecer dúvidas.

Confira a programação:

22/10 (quinta-feira)

14h– 15h50 – 1° Bloco

Panorama da LGPD: Origem. Fundamentos. Âmbito de aplicação e de exclusão. Principais Conceitos (tratamento de dados pessoais, consentimento, etc). Princípios.

Atores da LGPD: Titular. Encarregado. Operador. Autoridade Nacional de Proteção de Dados.

Tratamento de Dados Pessoais: bases legais, com especial destaque para o consentimento. Término do tratamento.

  1. Direitos dos Titulares.
  2. Proteção de Dados nas Relações Trabalhistas
  3. Responsabilidades e Sanções.

Palestrante: Dr. Walter Aranha Capanema

15h50 – 16h – Intervalo

16h– 18h – 2° Bloco

Implementação da LGPD

Hipóteses de tratamento de dados e respectivos requisitos;

  1. Segurança dos dados e mudança de cultura;
  2. Implementação de conformidade;

(*Mapeamento de riscos / Identificação das áreas que tratam dados pessoais e dos stakeholders)

  1. Boas práticas e governança contínua dos dados pessoais

(*exemplos de implementação / casos concretos de revisão de processos)

5.Vazamento de dados e a estrutura de um plano de resposta.

Palestrante: Dra. Carla Bertucci Barbieri

23/10 (sexta-feira)

10h – 12h – 1° Bloco

Parte geral, princípios e objetivo. Destinatários e conceitos

Palestrante: Iuri Pinheiro

12h – 14h – Intervalo

14h – 15h50 – 2° Bloco

Agentes de Tratamento: Controlador, Operador e Encarregado. Bases legais para autorizar o tratamento de dados. Polêmicas sobre o Consentimento. Responsabilidades pelo mau uso dos dados

Palestrante: Raphael Miziara

15h50 – 16h- Intervalo

16h – 18h – 3° Bloco

Questões trabalhistas práticas – controvérsias e aplicações

Palestrante: Vólia Bomfim

ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS ESTADUAIS TEM DESEMPENHO POSITIVO EM SETEMBRO

A arrecadação dos impostos estaduais totalizou R$ 3,44 bilhões em setembro no Rio Grande do Sul. O valor é 10,6% (R$ 330 milhões) superior ao apurado no mesmo período de 2019, em números atualizados pelo IPCA. O desempenho corrobora o cenário de retomada da atividade econômica, com variação positiva nos três impostos de competência estadual ao longo do último mês: o ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação), o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e o ITCD (Imposto sobre Transmissão “Causa Mortis” e Doação de Quaisquer Bens e Direitos).

Após um primeiro trimestre com 3,6% de crescimento real, a arrecadação de impostos estaduais no RS sofreu com o impacto da pandemia, apurando quedas de 14,3% em abril, 26,2% em maio, 12,4% em junho e 5,5% em julho. Em agosto, o indicador voltou a apresentar variação positiva na ordem de 1,3%, movimento que foi acentuado em setembro. Com os números, o resultado acumulado (janeiro a setembro) em 2020 agora é de -3,9%, ou seja, R$ 1,18 bilhão a menos que no mesmo período do ano passado.

O mês de setembro teve um resultado expressivo. Os próximos meses serão fundamentais para consolidar essa tendência de recuperação, tanto sob o ponto de vista da evolução da pandemia quanto da arrecadação, que pode ter sido impactada por uma espécie de efeito rebote das vendas represadas anteriormente”, salienta Ricardo Neves Pereira, subsecretário da Receita Estadual.

Para seguir o movimento e acelerar a retomada, a grande aposta do fisco gaúcho é a implementação da agenda Receita 2030, que consiste em 30 iniciativas para modernização da administração tributária gaúcha, com repercussão positiva no ambiente de negócios e no desenvolvimento do Estado. Para outubro, a expectativa é que a arrecadação de impostos estaduais siga em patamares positivos de variação.

Visando incrementar a precisão das previsões e robustecer a tomada de decisão, a Receita Estadual vem monitorando em tempo real o comportamento dos principais indicadores econômico-fiscais do Rio Grande do Sul, inclusive com publicação de boletins quinzenais no site de transparência da Instituição, o Receita Dados (http://dados.receita.fazenda.rs.gov.br/publicacoes/boletim-informativo). Além disso, outra medida implementada é o incremento do acompanhamento e do relacionamento com entidades e contribuintes dos mais diversos setores econômicos, por meio dos Grupos Especializados Setoriais (GES).

Visão por imposto: ICMS, IPVA e ITCD

Após cair 15,0% em abril, 28,6% em maio, 13,9% em junho e 5,3% em julho, o ICMS, principal tributo a nível estadual, registrou crescimento de 1,7% em agosto. Em setembro, o desempenho seguiu melhorando: +9,8% de variação, em números atualizados pelo IPCA. No acumulado de janeiro a agosto, entretanto, ainda há redução real de 4,4%.

Na mesma linha, em setembro o IPVA apresentou desempenho 17,9% acima do registrado em 2019. Assim, o tributo segue com resultado acumulado positivo em 2020, na ordem de 2,3% frente ao ano passado.

Outro destaque do mês de setembro foi o resultado do ITCD. O imposto apurou variação positiva pela primeira vez desde o início da pandemia, com um resultado 58,8% superior a 2019. Com isso, o imposto agora acumula queda de 14,6% no ano.

Metodologia da Análise Comparativa

A análise comparativa considera os ajustes decorrentes da antecipação de receitas no final de 2018. Na ocasião, para incrementar o fluxo de caixa, possibilitar o pagamento dos servidores e o atendimento das necessidades básicas da população, R$ 347 milhões de ICMS que seriam arrecadados em janeiro de 2019 foram antecipados para os últimos dias de dezembro de 2018. Dessa forma, a mudança no fluxo de caixa afeta a comparação da arrecadação acumulada entre 2020 e 2019. Além disso, a análise ajustada também considera a apuração do IPVA pelo Regime de Competência, que apropria as receitas ao período a que se referem. Caso não fossem feitos esses ajustes, o total dos três impostos estaduais indicaria queda na ordem de -2,9% em valores reais (ao invés de -3,9%).

Para acessar o Receita Dados e conferir informações diárias e em tempo real sobre arrecadação, documentos eletrônicos, combustíveis, entre outros, clique aqui.

Fonte: Receita Estadual RS

PARCELAMENTO DE ICMS RELATIVO AO PERÍODO DA COVID-19 JÁ ESTÁ DISPONÍVEL NO SITE DA RECEITA ESTADUAL

A Receita Estadual está disponibilizando condições especiais para que os contribuintes com débitos de ICMS vencidos entre abril e setembro de 2020, quando os impactos da Covid-19 foram mais acentuados, possam regularizar a situação perante o fisco. A iniciativa permite o parcelamento dos valores devidos em até 60 meses, sem necessidade de apresentação de garantias e de entrada mínima de 6% do valor da dívida. A adesão deve ser feita de maneira virtual, por meio do site da Receita Estadual, entre 13 de outubro e 30 de novembro, que também é a data-limite para pagamento da parcela inicial.

 

A possibilidade, constante na Instrução Normativa RE Nº 078/2020, abrange os créditos tributários provenientes do ICMS, declarados em GIA, GIA-ST ou DeSTDA, vencidos entre 1º de abril de 2020 e 30 de setembro de 2020. A medida administrativa visa incentivar a regularização dos contribuintes e facilitar o parcelamento, proporcionando fôlego ao fluxo de caixa das empresas e auxiliando no enfrentamento da pandemia, sem abrir mão dos valores devidos aos cofres públicos. “Não se trata de um programa com descontos, mas sim de um parcelamento dos débitos de forma mais facilitada que normalmente, mantendo os acréscimos por atraso”, explica Luis Fernando Crivelaro, subsecretário adjunto da Receita Estadual.

 

Clique aqui para saber mais sobre as condições e as instruções para o parcelamento.

Fonte: Receita Estadual do RS

Empresas podem reduzir salário e jornadas e suspender contratos

Decreto foi prorrogado pelo presidente Jair Bolsonaro por 60 dias

 

Para enfrentar o impacto econômico gerado pela pandemia da Covid-19, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, editou o Decreto 10.517, de 13 de outubro de 2020, prorrogando a redução de jornadas e salários por 60 dias, além de estender o prazo para o recebimento emergencial, renovado até o final do ano. Com isso, as empresas ganham mais fôlego para contornar os problemas e garantir a sobrevivência do negócio e dos empregos.

 

A prorrogação foi movida devido a permanência de medidas restritivas de isolamento social. A medida permite que empresas que estão em situação de vulnerabilidade possam continuar sobrevivendo, superando este período e, desta forma, preservando postos de trabalho num movimento de recuperação financeira. O decreto prorroga em mais 60 dias o período em que as empresas poderão reduzir o salário e a jornada de trabalho de seus funcionários, elevando para até 240 dias o prazo original previsto para celebração de acordos.

 

Para o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, está é uma medida importante por entender que a renda das famílias, devido a pandemia, reduziu e, com isso, restringiu o consumo no comércio. “Assim, as empresas ficam mais aliviadas no cumprimento da folha de pagamento, buscando manter os colaboradores, dando tempo para aguardar uma retomada da economia e dos empregos”, destaca.

 

O decreto também prorrogou o prazo para o recebimento do benefício emergencial, que o governo renovou até o final do ano.

Decreto 10.517