fbpx

COVID-19

O retorno para a Bandeira Laranja e suas novas regras

Todos setores podem atuar com 75% dos colaboradores e deve haver uma pessoa com máscara para 4m² de área útil de circulação, conforme limite do PPCI

 

Entra em vigor nesta terça-feira, 19 de janeiro, as novas regras para o varejo de Bento Gonçalves diante da classificação em Bandeira Laranja, conforme as orientações do Sistema de Distanciamento Controlado para fins de prevenção e de enfrentamento à Covid-19. Nos próximos sete dias, todos os setores do varejo poderão atuar com 75% do quadro de colaboradores. Além disso, o uso de máscara passa a estar associado a área útil de circulação. Ou seja, para cada 4 m² é permitido uma pessoa desde que a mesma esteja usando máscara.

 

As mudanças trazem maior flexibilização para o varejo, no entanto, não anulam os cuidados que devem continuar sendo tomados para evitar que haja nova regressão. O presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, chama a atenção dos varejistas para que atentem aos detalhes. “Ganhamos uma injeção de ânimo com o início da vacinação em grupos de risco, mas isso não significa que podemos relaxar. Precisamos seguir firmes e mostrar que somos capazes de segurar a propagação do vírus. Cada vez que negligenciamos, o Coronavírus nos mostra como pode ser cruel”, protesta.

 

O Sindicato segue atuando na conscientização de seus associados no sentido de exercer suas funções com responsabilidade, tanto com funcionários quanto com clientes e fornecedores.

 

Protocolos gerais e específicos podem ser acessados no site https://distanciamentocontrolado.rs.gov.br/.

Varejo vê na imunização a grande saída para 2021

Menor circulação de renda, redução da confiança do consumidor, o medo da contaminação, a taxa de desocupação em alta e as mudanças nas regras estão entre os grandes desafios do varejo para 2021

A pauta do varejo gaúcho segue sendo a Pandemia do Coronavírus. Na primeira reunião de 2021 da Comissão Setorial do Comércio Varejista da Fecomércio-RS, realizada on-line nesta quinta-feira, 14, o assunto não poderia ter sido diferente. A economista-chefe da Federação, Patrícia Palermo, assegurou que a Covid-19 é o que ainda vai reger a economia neste ano. Por isso, mais do que nunca, o setor entende que a vacinação é a única saída para a mudança do cenário.

Enquanto a vacina não vem, Patrícia explica que as alternativas são repactuar aluguéis, reestruturar estoques, reduzir custos financeiros e consolidar novos canais de venda, adotando de vez o mundo digital, seja via site, seja redes sociais ou pelo WhatsApp. O presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, também vice-presidente da Federação, comunga do mesmo pensamento. Para ele, mesmo adotando todas as medidas cabíveis para o enfrentamento ao Coronavírus, as pessoas precisam ser imunizadas. “A vacina vai trazer segurança às pessoas e isso vai se refletir no comportamento em casa e no trabalho”, salientou.

Entre os grandes desafios para o varejo, a economista destacou a menor circulação de renda devido ao fim do auxílio emergencial e aos poucos recursos para os novos saques do FGTS. Patrícia também projeta que a confiança do consumidor estará reduzida, uma vez que as pessoas estão com medo da contaminação e a taxa de desocupação ainda está alta, apesar do aumento da ocupação. As diversas mudanças nas regras de abertura e fechamento dos negócios é outro item que também traz incertezas para os consumidores.

A reunião foi coordenada pelo vice-presidente da Fecomércio-RS, Gilmar Bazanella.

Pesquisa da Fecomércio-RS avalia como a crise do Coronavírus tem afetado varejistas de vestuário

A pesquisa aponta que apesar da flexibilização, vendas continuam abaixo de 2019 para a maioria dos entrevistados

Entre os dias 30 de novembro e 15 de dezembro de 2020, a Fecomércio-RS realizou a segunda rodada do ano da Sondagem de Segmentos – Varejo de Vestuário. No total, foram realizadas 385 entrevistas em todo o estado com estabelecimentos do Simples Nacional. Os artigos de vestuário, segundo a SEFAZ, tem sido as mercadorias que mais tem sofrido queda de vendas desde o início da pandemia.

Entre os entrevistados, 53,2% dos negócios tinham mais de 10 anos de existência e 62,3% tinham até cinco pessoas trabalhando. Os dados mostram que desde o início da pandemia, apenas 7% afirmaram apresentar aumento de faturamento no período na comparação com o ano passado, apesar de 88,3% terem aplicado medidas para evitar queda de vendas no período – estratégias essas adotadas em caráter permanente após a flexibilização das atividades. Entre os entrevistados, 28,3% continuam com colaboradores com jornada e salários reduzidos ou suspensos. Questionados sobre a retomada das vendas a partir de setembro, apenas 16,1% dos entrevistados afirmaram que as vendas já estão em nível igual ou superior ao mesmo período de 2019. Sobre as dificuldades de reposição de estoques, 43,9% afirmaram ter dificuldades pontuais com alguns fornecedores e alguns produtos, enquanto 16,6% afirmaram que têm dificuldades generalizadas.

“O varejo de vestuário acumulou perdas inimagináveis em 2020. Como os estoques são fortemente atrelados à estação, muitos se viram com estoques lotados ao mesmo tempo que enfrentavam a dificuldade de disponibilidade de produtos para oferecer a seus consumidores. Esperamos e estamos trabalhando para que uma situação como a que vimos em 2020 nunca mais se repita”, completou Luiz Carlos Bohn, presidente da Fecomércio-RS.

 

Fonte: Fecomércio – RS

Maior flexibilização para o varejo de Bento

Governo do Estado aprova Projeto de Cogestão dos municípios da Serra ampliando o número de funcionários e clientes

Mesmo estando em Bandeira Vermelha, Bento Gonçalves está com status de Bandeira Laranja para o varejo, ou seja, o setor passou a contar, desde às 00h desta terça-feira, 12 de janeiro, com uma maior flexibilização tanto no número de funcionários quanto no de clientes. Isso porque o Projeto de Cogestão apresentado pelos municípios da Serra Gaúcha ao Governo do Estado foi aprovado. Com isso, segmentos como itens essenciais, alimentos e automóveis passam a operar com 75% da equipe de trabalho com atendimento presencial restrito conforme as orientações do Sistema de Distanciamento Controlado para fins de prevenção e de enfrentamento à Covid-19.

Para o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, este é mais um avanço que demonstra o alinhamento do Poder Público Municipal com a realidade de cada setor. “Nossa cidade tem demonstrado responsabilidade tanto na gestão pública quanto privada, tomando todos os cuidados devidos para combater essa pandemia. Nós, enquanto representantes e defensores dos interesses de nossos associados, vamos seguir atuando ativamente para que o setor possa exercer sua função, movimentando a economia, gerando empregos”, destaca.

A cogestão também permite aos municípios que integram a região aplicar o Lei na íntegra ou, se entenderem que a situação na sua cidade requer maiores cuidados, restringir com Decreto Municipal.

O Modelo de Cogestão vigente pode ser acessado clicando aqui: 08184551-cogesta-o-serra-decreto-040121-1

Empresas podem reduzir salário e jornadas e suspender contratos

Decreto foi prorrogado pelo presidente Jair Bolsonaro por 60 dias

 

Para enfrentar o impacto econômico gerado pela pandemia da Covid-19, o Presidente da República, Jair Bolsonaro, editou o Decreto 10.517, de 13 de outubro de 2020, prorrogando a redução de jornadas e salários por 60 dias, além de estender o prazo para o recebimento emergencial, renovado até o final do ano. Com isso, as empresas ganham mais fôlego para contornar os problemas e garantir a sobrevivência do negócio e dos empregos.

 

A prorrogação foi movida devido a permanência de medidas restritivas de isolamento social. A medida permite que empresas que estão em situação de vulnerabilidade possam continuar sobrevivendo, superando este período e, desta forma, preservando postos de trabalho num movimento de recuperação financeira. O decreto prorroga em mais 60 dias o período em que as empresas poderão reduzir o salário e a jornada de trabalho de seus funcionários, elevando para até 240 dias o prazo original previsto para celebração de acordos.

 

Para o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, está é uma medida importante por entender que a renda das famílias, devido a pandemia, reduziu e, com isso, restringiu o consumo no comércio. “Assim, as empresas ficam mais aliviadas no cumprimento da folha de pagamento, buscando manter os colaboradores, dando tempo para aguardar uma retomada da economia e dos empregos”, destaca.

 

O decreto também prorrogou o prazo para o recebimento do benefício emergencial, que o governo renovou até o final do ano.

Decreto 10.517

Cerca de 1.000 extensores de máscaras foram distribuídos aos comerciantes de Bento

O acessório traz mais conforto durante o uso

A máscara virou parte do nosso vestuário e sabemos como ela é necessária, contudo, ela pode causar desconforto nas orelhas devido ao elástico e ao longo tempo de uso.

Pensando nisso, a Fecomércio-RS/Sesc/Senac desenvolveu um extensor para auxiliar na utilização deste item. Durante toda a manhã de hoje, 14, o Sindilojas Regional Bento e o Sesc/Senac distribuíram cerca de 1.000 extensores para os comerciantes de Bento Gonçalves.

Os extensores são produzidos com material de plástico injetável, se tornando práticos para o uso e permitindo que a pessoa permaneça mais tempo com a máscara sem manuseá-la, evitando ferimentos causados pelas hastes dos elásticos.

Até então, foram produzidos 85 mil extensores e seguem sendo distribuídos por todo o Estado.

                                     
Participaram da ação o Presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, a coordenadora do Sindilojas Jovem Bento, Aiala Premaor, a diretora e o gerente do Sesc/Senac da cidade, Rosângela Martins e Jaques Fachinelli.

 

Sindilojas alerta sobre mudanças nos protocolos da Bandeira Vermelha

Caso a cidade tenha nova regressão e deixe a Bandeira Laranja, comércio e restaurantes deverão obedecer Decreto 55.414 do Governo do Estado

 

Bento Gonçalves e região ainda comemoram o retorno para a Bandeira Laranja, o que está permitindo uma semana de Dia dos Pais com portas abertas e uma expectativa de boas vendas. Entretanto, a cada semana a realidade pode mudar, acompanhando os dados epidemiológicos e obedecendo o Distanciamento Controlado do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Preocupado e muito atento às deliberações do Executivo Estadual, o Sindilojas Regional Bento alerta seus associados para o Decreto 55.414, de 3 de agosto de 2020, que traz mudanças nos protocolos da Bandeira Vermelha.

 

“Voltar para a Bandeira Vermelha está fora dos nossos planos, mas precisamos alertar nossos associados, caso isso volte a acontecer, pois algumas mudanças nos protocolos foram feitos e terão que ser seguidos. Acreditamos muito na permanência da Bandeira Laranja e seguimos disciplinados no cumprimento de todos os cuidados necessários”, destaca o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio.

 

As mudanças, que envolvem o comércio varejista não essencial, localizado em ruas, centros comerciais e shoppings, e o funcionamento de restaurantes, começam a valer hoje, 5 de agosto, já devendo ser cumpridas pelas regiões que se encontram na Bandeira Vermelha, não sendo o caso da Serra Gaúcha. As alterações foram debatidas e validadas com a Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) e com as 27 associações regionais.

 

PROTOCOLOS DE BANDEIRA VERMELHA

Comércio atacadista não essencial

  • Poderão atender com 25% dos trabalhadores e o atendimento ao público será restrito de quarta-feira a sábado, das 10h às 16h, respeitando o teto de ocupação (número máximo de pessoas conforme área do estabelecimento). As modalidades de comércio eletrônico, tele entrega e drive- thru continuam sendo permitidos todos os dias da semana.

Todos os estabelecimentos deverão respeitar os protocolos obrigatórios e a Portaria SES nº 376.

 

Comércio varejista não essencial de rua

  • Poderão atender com 25% dos trabalhadores e o atendimento ao público será restrito de quarta-feira a sábado, das 10h às 16h, respeitando o teto de ocupação (número máximo de pessoas conforme área do estabelecimento). As modalidades de comércio eletrônico, tele entrega, pegue e leve e drive thru continuam sendo permitidos todos os dias da semana.

Todos os estabelecimentos deverão respeitar os protocolos obrigatórios e a Portaria SES nº 376.

 

Comércio varejista não essencial de centros comerciais e shopping centers

  • Poderão atender com 25% dos trabalhadores e o atendimento ao público será restrito de quarta-feira a sábado, das 10h às 16h, respeitando o teto de ocupação (número máximo de pessoas conforme área do estabelecimento). As modalidades de comércio eletrônico, tele entrega e drive thru continuam sendo permitidas todos os dias da semana.

Todos os estabelecimentos deverão respeitar os protocolos obrigatórios e a Portaria SES nº 303 e 406.

 

Restaurantes

  • Permitido atender ao público presencial restrito de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h, respeitando o teto de ocupação de 50% de trabalhadores e 25% de lotação, sendo permitido também a tele entrega, pegue e leve e drive thru todos os dias da semana.

Todos os estabelecimentos deverão respeitar os protocolos obrigatórios e a Portaria SES nº 319.

 

LINKS PARA INFORMAÇÃO

https://coronavirus-admin.rs.gov.br/upload/arquivos/202005/21100242-portaria-319.pdf

https://coronavirus.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/03133804-portaria-ses-n-376.pdf

https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202007/21165552-06-portaria-303-atualizada-ate-a-portaria406.pdf

https://coronavirus.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/08144902-portaria-ses-n-406.pdf

Bento adota plataforma para monitorar Covid-19

Empresas podem se cadastrar gratuitamente para dispor de ferramenta que mostra por onde as pessoas passam nos 15 dias anteriores

 

Com o anúncio da Bandeira Intermediária para Bento Gonçalves, permitindo que o comércio abra as portas num modelo entre as Bandeiras Vermelha e Laranja, a Smart Tracking se torna ainda mais importante como aliada ao monitoramento da Covid-19 na cidade. A ferramenta foi lançada pela Prefeitura, juntamente com o Observatório Turístico, com o propósito de auxiliar na contenção da propagação do vírus, ainda no período de incubação da doença. O Sindilojas Regional Bento apoia a iniciativa e trabalha na conscientização de seus associados para que as empresas se cadastrem na plataforma.

 

“Estamos atuando em diversas frentes e vamos seguir ativos. Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance no enfrentamento ao Coronavírus e esta medida da prefeitura é mais uma ação que demonstra como Bento Gonçalves é diferenciada e vem lutando com toda sua força para combater este vírus que, além de subtrair vidas vem desafiando empresas”, destaca o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio.

 

Simples e sem custo, o Smart Tracking pode ser utilizado por todo estabelecimento comercial, ajudando a rastrear o vírus, combatendo-o ainda no período de incubação. O cadastro deve ser feito pelo link https://bento.tur.br/qrcode/. Com a ferramenta é possível rastrear as pessoas, sem violar a liberdade individual. O sistema é adequado à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), não identificando os usuários. O acesso ao bando de dados gerado é exclusivo às autoridades da saúde.

 

O uso não é obrigatório, mas o Sindilojas está recomendando a todos os associados que façam o cadastro. Da mesma forma, a entidade também tem ocupado seus canais para conscientizar a comunidade a fazer o check-in. O mapeamento leva em conta estabelecimentos comerciais, de prestação de serviços, restaurantes, ônibus e supermercados.

 

A informação serve para alertar as autoridades sanitárias e os próprios donos dos empreendimentos sobre a ocorrência de pessoa contaminada, medida considerada importante para tomada de ações de prevenção. Outras pessoas que tenham passado pelos mesmos ambientes no dia e horário do paciente testado positivo também serão avisadas.

 

Como funciona

1 – O estabelecimento comercial realiza o cadastro na plataforma, imprime o QR Code gerado, deixando-o à vista do cliente. Link: https://bento.tur.br/qrcode/

2 – O cliente lê o QR Code acionando a câmera do smartphone, realiza o primeiro cadastro e depois apenas faz o check-in nos estabelecimentos por onde passar.

3 – Autoridades de Saúde realizam o rastreio de locais e pessoas com quem os pacientes testados positivo para Covid-19 tiveram contato até os 15 dias anteriores ao diagnóstico da doença.

4 – Estabelecimentos e usuários cadastrados recebem o aviso por e-mail ou SMS caso tenham sido identificados no rastreio.

Bandeira Vermelha: De portas fechadas, mas com take away e drive-thru

Mudanças amenizam, mas seguem atingindo em cheio o comércio. Sindilojas luta para que as lojas possam abrir as portas para 25% da capacidade total de clientes

Depois de ter conquistado a liberação da tele entrega para o comércio não essencial mesmo na Bandeira Vermelha, o Sindilojas Regional Bento, juntamente com a Fecomércio-RS, segue em busca da autorização para atuar com 25% da capacidade total da clientela para cada estabelecimento. Todos esforços junto ao Governo do Estado estão voltados para este pleito. Ainda no dia 3 de julho, o presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, gravou um vídeo com esta petição que foi enviado ao Governador Eduardo Leite, unindo esforços com a Federação. A expectativa é que o pedido seja atendido ainda nesta semana.

Apesar da conquista da tele entrega antes mesmo do enquadramento na Bandeira Vermelha, fechar as portas é uma situação que compromete ainda mais a saúde das empresas. Muitas delas, mesmo na Bandeira Laranja, estão faturando, no máximo, 40% da receita em tempos normais. A boa notícia para o setor é que será permitido o take away (pegue e leve) e o drive-thru para retirada de produtos. As empresas poderão fazer a venda por telefone, whatsApp, e-mail, ou seja, sem que o cliente entre na loja.

“O comércio foi o primeiro setor a sentir na pele os efeitos desta pandemia global. Também somos vítimas da Covid-19 e estamos cientes das nossas responsabilidades. Fomos os primeiros a fechar as portas, colocando em risco a vida das empresas e o sustento de famílias em defesa da saúde. Estamos fazendo a nossa parte e sabemos que não é no comércio que vemos grandes aglomerações. Vamos seguir firmes e fortes na defesa da abertura do comércio consciente”, enfatiza Amadio.

Além de atuar junto ao Poder Público Estadual e Municipal e junto a entidades afins, o Sindilojas Regional Bento também vem criando ferramentas que possam auxiliar seus associados a enfrentar este difícil momento. Um exemplo é o desenvolvimento de dois E-Books com dicas práticas para fomentar as vendas pelo WhatsApp, além de criar uma seção específica para compartilhar informações sobre a Covid-19 no site www.sindilojasbg.com.br. Informações completas sobre o Modelo de Distanciamento Controlado RS podem ser acessadas no site www.distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

Comércio pode operar com tele entrega na Bandeira Vermelha

Conquista é da Fecomércio-RS que, mesmo lamentando não ser ouvida pelo Governo do RS em outras reivindicações, amplia possibilidades para o setor

Luiz Carlos Bohn e Daniel Amadio

Mesmo insatisfeita com a falta de atendimento pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul para todas suas demandas, a Fecomércio-RS tem o que comemorar. Incansável na luta por uma maior flexibilização do comércio varejista não essencial, a entidade recebeu ontem a notícia de que a tele entrega passa a ser aceita na Bandeira Vermelha. O Sindilojas Regional Bento, que integra o movimento da Federação, avalia como positiva a conquista ao mesmo tempo em que se mantém firme nessa empreitada de seguir batalhando pela defesa do comércio de bens, serviços e turismo.

“Somos parceiros e apoiadores em todas as ações do Governo do Estado. Nossas empresas estão aplicando de forma rigorosa a utilização de todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), zelamos pelo distanciamento interpessoal e pelo controle do fluxo de pessoas, dos limites de capacidade e da higienização constante dos estabelecimentos. Não existe evidências de que o aumento recente de internações por Covid-19 vem sendo causado pela circulação de pessoas em estabelecimentos empresariais. Com a aplicação de todos os protocolos, temos condições de atuar com pelo menos 25% de nossa capacidade total mesmo na Bandeira Vermelha”, lamentou em vídeo dirigido ao Governador Eduardo Leite, o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn, que garantiu, ainda, que as empresas não sobreviverão neste abre e fecha intermitente. “O setor também é vítima da Covid. Estamos conscientes das nossas responsabilidades com a saúde”, frisou.

O presidente do Sindilojas Regional Bento, Daniel Amadio, vê a mudança como uma conquista, mesmo que ainda esteja longe de atender as principais demandas feitas pelo setor. Entretanto, entende que já é um avanço. “Bento e região seguem na Bandeira Laranja e estamos trabalhando rumo à Amarela, mas já vivemos a triste experiência da Bandeira Vermelha e não queremos mais voltar para esta situação”, destaca.

Na avaliação da Fecomércio-RS, uma restrição a 25% da capacidade de atendimento, sem diferenciação específica para o número de funcionários, seria uma medida mais razoável para o controle da pandemia, aliada a um maior rigor na fiscalização das aglomerações em outros ambientes. A entidade solicita ainda que seja feito um estudo sobre como estão ocorrendo as contaminações, para que as ações de combate à pandemia sejam mais eficazes e não prejudiquem injustamente um setor que está tomando todos os cuidados indicados para a prevenção da doença.